Nasceu em Puerto Lumbreras, 1973.

Depois de estudar Belas Artes na Universidade de Granada, vive em Madrid, Paris (com bolsa de estudos do Ministério dos Negócios Estrangeiros) e Roma.

Sua obra explora a relação entre o espaço, o suporte e a cor, analisando os princípios da estética Bauhaus, evoluindo a partir de referências essenciais na construção - desconstrução - destruição, como Gordon Matta Clark ou Imi Knoebel. Constrói uma desarquitetura, concebendo espaços que nos fazem refletir sobre a "cidade", uma cidade com espaços para renovação urbana. Neste jogo de desconstrução da pintura, articula e define lugares como um cartógrafo dos subúrbios, e espaços habitados. Suas obras evidenciam um olhar consistente com a evolução de uma linha geométrica que começa em Mondrian e passa Palazuelo ou Peter Halley. A partir dessas fontes, a matéria ocupa mais e mais espaço, tanto em pintura quanto em escultura, e a partir da memória, que serve de gênese para seu trabalho, investiga novas formas para uma obra em que a arquitetura, memória e transitoriedade são protagonistas, indo além da estética visual e da materialidade pura.

Francisco Olivares Diaz (FOD)